sexta-feira, 16 de outubro de 2009

CAPY CAPY

Capy Capy é Pura Vida em Maleku, e por enquanto é das poucas palavras que sabemos.

O choque cultural nao existiu, ou melhor, estar com os Maleku nao é muito diferente de estar com qualquer outra família Tica. Pelo menos á primeira vista... Apresento-vos Luis Denis, o simpático Maleku que nos está a receber no seu projecto de voluntariado:
Como podem ver, nada de tangas, pinturas excentricas ou penas na cabeca :)
Nós estamos no Palenque Tanjibe, perto de San Rafael de Guatuso. Os palenques sao as comunidades indígenas, e onde nos estamos existem 3, todas Maleku. Infelizmente nao vos vou presentear com uma foto do Palenque, pois sentimo-nos um tanto constrangidos a tirar lá fotos. Consistem em duas fileiras de casas que distam entre si como uns 5 metros. A noite, quando o visitamos (estamos um pouco fora do coracao do palenque) o ambiente era lindo: todas as portas estavam abertas, ouvia-se musica, os adultos sentados na rua, as criancas a saltirar de casa em casa.
Os Maleku sao profundamente hospitaleiros. Sentimo-nos muito mais como visitas do que como voluntários. Para terem uma ideia, vejam só a nossa "cabana" de 3 assoalhadas:
Voltamos á fantástica comida Costa Riquenha (com algumas nuances Maleku), e como se nao bastasse, toda a gente passa a vida a oferecer-nos os mais fantásticos (e totalmente desconhecidos) frutos.
O trabalho também é muito agradável, cada dia fazemos algo diferente e estamos sempre algures no meio da reserva indígena. Até agora já trabalhamos no Ranário (perdicao do Helder), no jardim e na horta. Preve-se que nos proximos dias vamos plantar arvores e limpar os percursos no meio da floresta primária.
Pouco a pouco vamo-nos apercebendo dos hábitos e cultura indígena dos Maleku, mas nao é nada como um choque! Quando nos sentamos á volta da fogueira, quando nos ensina a comer laranjas á moda Maleku ou quando observa fascinado um qualquer insecto, aprendemos mais sobre o que significa ser indígena do que qualquer livro nos pode ensinar!

7 comentários:

nuno brolock disse...

Uns têm orgulho em andar com águias no ombro, papagaios, falcões, macacos, ou até cobras...outros preferem ter rãs! tá certo!

nuno brolock disse...

Ciclo coisas que realmente interessam:
Maitê Proença pôs a boca no trombone e foi apanhada num vídeo caseiro...a gozar com o povo irmão. Claro que agora já veio pedir desculpas e que era uma brincadeira e tal e tal. Vai-te catar, pá!!!

Cátia disse...

Olá!!!

Ainda bem que os Maleku são como são e que vocês estão a gostar :)

O trabalho também parece ser porreiro e para além disso têm um casarão! Cá pra mim, quando chegarem a portugal, vão construir aqui em frente uma cabana, pois já não vão conseguir viver um sem o outro! eheheh

Diz lá aí algumas "nuances" alimentares Maleku?

Bjos

Cátia disse...

Oa Maleku não usam tangas nem se pintam... mas fazem tatuagens? Era fixe que tivessem algum tipo de tatuagem tradicional e que voçês pudessem experimentar :)

Cátia disse...

Olha ali a Dani a fingir que trabalha, sentadita e tal... Tudo bem que o trabalho é leve, mas ñ exageres!eheheh

Berga, como se chama essa rã? É peculiar :)

Capy Capy ó gente da minha terra ;)

Cláudia L. disse...

Mais uma vez umas belas fotos.

Dani, gosto da t-shirt da ESHTE! :)
Berga, que vontade tinhas tu que trazer uma coisinha dessas para cá... mas dessas não sobrevivem, com certeza, na ribeira de C. Pêra. :)

Aproveitem bem.

Daniela disse...

Hello!
Nuno, até tu tens de admitir que a ranita é linda!!
Quanto ás Nuances dava pa escrever um post, mas vou-vos poupar a isso. Digamos que temos comido muitos frutos at´çe agora desconhecidos. Recomendo vivamente o Pejibaie com maionese :) E sim, gosto de trabalhar sentadita, a cortar as ervas daninhas... é do melhor :) Tatuagens tb acho que nao têm... Clau, a t-shirt de DCAM tb cá está, mas os meus dotes de dona de casa a lavar roupa á mao nao recomendam que a use muitas vezes...