terça-feira, 1 de setembro de 2009

Americanisses

Apesar de estarmos na Costa Rica temos estado mais tempo com americanos do que com Ticos. Obviamente não há muitos “locals” a fazer voluntariado e os estrangeiros têm esta coisa engraçada de estarem sempre a identificar-se uns aos outros e a meter conversa. Mas este intercâmbio cultural com os americanos tem sido o máximo.
Parece que nós não somos gringos, já que esta palavra se aplica apenas aos americanos. Houve um sujeito que nos deu uma explicação para esta palavra, no entanto necessita de confirmação: parece que quando os americanos ocupavam a Nicaragua vestiam-se de verde e a população da América Latina queria eles fora de lá, então diziam “Green Go!”, ou seja Gringo.
Uma coisa que nos apercebemos logo quando cá chegamos é que se perguntamos a um americano de onde ele é ele responde com o nome do estado. Será que é porque pensam que é obvio que são dos EUA? Eu acho que é por os EUA serem um país muito grande e diversificado e dizer “apenas” que se é de lá não é o suficiente para se “localizar” a pessoa tanto geografica como culturalmente.
Já tinha referido noutro post que estava bastante surpreendida com a sua cultura e conhecimentos, mas também acho que temos tido sorte com as pessoas que nos temos cruzado. Com todos eles surge sempre a conversa da aprendizagem de línguas (Nuno, esta é para ti). Parece que por aqueles lados aprender uma segunda língua não é algo relevante nos currículos escolares e ficam espantados quando dizemos que os nossos miúdos começam a aprender inglês no primeiro ciclo. Todos tiveram um ou dois anos de uma língua estrangeira, mas nenhum considera que aprendeu o mínimo para manter uma conversa. Achei particularmente interessante a opinião da Kathleen já que ela acha que é uma das razões pelas quais os americanos são considerados arrogantes, pois ao não conhecerem minimamente uma segunda língua obrigam as pessoas dos locais para onde viajam a conhecerem o inglês. E como de facto muitas pessoas falam inglês os americanos não fazem o esforço de aprender a língua local.
Acima de tudo tenho aprendido que os EUA são mesmo um país muito grande e com pessoas muito diferentes, e que aquilo que nos é transmitido não pode ser generalizado a uma população tão diversificada. Agora se falarmos do pessoal do poder e do dinheiro tudo muda, mas felizmente acho que não vamos encontrar muitos desses por estes lados.

4 comentários:

Cátia disse...

Já agora, só por curiosidade, se "gringos" é específico para os americanos, como vos chamam eles?

nuno brolock disse...

Quando forem aos States vou-me colar! Tipo apareço no aeroporto com as mãos nos bolsos, a assobiar e a olhar para o tecto: " vocês por aqui? Por acaso também vou para o mesmo destino, não tenho é alojamento marcado nem orçamento para isso..."

nuno brolock disse...

O Avante tá a ser brutal! Acho que vou abrir uma escola de natação(tenho apanhado com cada touca!)

Ps- voltem, vocês fazem falta a esta terra (snif, snif).

Daniela disse...

C'atia, nos somos simplesmente portugueses, o que nos da um estatuto bem mais simp'atico do que ser gringo. Para ja porque nos consideram latinos, depois porque falamos espanhol. E claro, a conversa vai sempre parar ao futebol. 'E muito bom ser portugues por estes lados :)

E Nuno, "esses lados" tamb'em fazem falta por aqui! J'a disse "a C'atia que vou ser super melga quando voltar :) E por falat em touca, quando for pa piscina a 10 passos de onde estou neste momento mando um mergulho por ti, boa?